Especializado em interiores, moda e retratos Christian Maldonado é colaborador de publicações como Harper’s Bazaar, RG, Elle, Kaza, Casa Vogue, AU e Projeto.
Por Cristiano Mascaro:
Já conhecia Christian Maldonado (1963) como um raro e especial editor dedicado a edições de livros e port-folios artesanais primorosos. Sabia também das histórias de seu passado como empresário e produtor de vídeos institucionais, mas é recente o que sei a respeito do valor de Christian como fotógrafo. Uma excelente surpresa daquele que vive mais a divulgar o trabalho de outros do que o seu próprio. O fato é que após 2006 quando decidiu abandonar o trabalho de empresário, o agora fotógrafo Christian Maldonado não parou mais.
De posse de uma Hasselblad, que parece ser sua câmera mais querida, passou a se dedicar integralmente à fotografia. Passou a trabalhar com a Associação dos Meninos do Morumbi que agrega mais de 4.000 crianças e adolescentes e quem tem a prática musical como forma de criar uma alternativa às drogas e à delinquência juvenil. Envolveu-se com este trabalho durante 1 ano, participou intensamente da produção de 2 edições do Paraty em Foco, criou a Schoeler Editions (na companhia de Marcelo Greco) ao constatar que não havia no Brasil uma produção artesanal de qualidade até que caminhando pelas cercanias de sua casa, notou que aquelas folhas caídas no chão e levadas para seu estúdio e pousadas sobre um fundo infinito, tinham lá sua expressão. Deixou-as secar, explorou as possibilidades plásticas daquela folhas enrugadas nos mais diversos ângulos e daí surgiu a bela série “Cecrópias”, nome científico da embaúba, árvore típica da Mata Atlântica de folhas enorme e prateadas. Participou com esta série de fotos do prêmio Hasselblad Masters 2012 o que lhe valeu estar entre os 10 finalistas e a expor seu trabalho em Nova York.
No entanto, o entusiasmo de Christian não se resume ao estúdio.Talvez por ter começado a fotografar justamente com os Meninos do Morumbi, as ruas também começaram a atraí-lo e em uma viagem a Nova York, caminhando por uma região deteriorada de Chelsea, descobriu o conjunto de armazéns do Meatpacking onde se distribuía carne para a cidade. E para registrar o que viu, não poderia ser de outra maneira. Com sua Hasselblad montada em um tripé, pôs-se disciplinadamente diante das paredes de tijolos, das portas metálicas, dos grafites caprichados e de outros não mais do que garranchos, a fotografar com rigor milimétrico a geometria ali deixada pelos antigos ocupantes da área. Vez ou outra observava e registrava o entorno, pontuando espacialmente seu discurso.
O conjunto de fotos deste ensaio, mostra com clareza que para se captar o espírito de uma cidade, muitas vezes um só quarteirão basta. A cidade é um fenômeno tão diversificado e cheio de surpresas que a cada passo algo de novo e surpreendente, poderá surgir. E se voltarmos no dia seguinte, novas surpresas nos espantarão. Diante destes espantos que a cidade oferece, Christian Maldonado, em atitude minuciosa diante das paredes e portas do Meatpacking criou um mosaico representativo do período de uma cidade que se destrói e se reconstrói a todo momento, característica das cidades que não podem parar. Um mosaico rigoroso que prova que o fotógrafo não pode agir movido somente pela emoção. A atitude criteriosa ,a busca pela exatidão, faz das paredes e portas do Meatpacking nos remeter ao rigor com que Christian fotografou as folhas secas das Cecrópias.
Cristiano Mascaro  -  São Paulo, 2014
Back to Top